Laguna 69 e Dicas do Peru! (autora: Lily Pestana do Apaixonados por Viagens)

Olá gente! Eu sou a Lily do Blog Apaixonados por Viagens  (instagram @apaixonadosporviagens) e é uma honra escrever para minha amiga Di, que tanto me ajudou nesse último ano e meio a entender mais sobre a blogosfera, blogger, redes sociais, mídia digital e marketing digital, coisas que eu desconhecia até o ano passado por conduzir meu blog como se fosse um diário de viagem rsrs... O Apaixonados por Viagens não seria o mesmo hoje sem a contribuição preciosa da Di e, não só por isso, estou aqui para retribuir um pouco o carinho que recebi e recebo dela e compartilhar com vocês um resumo de uma das viagens mais fantásticas que já fiz na vida: Peru!

Estive no Peru no ano passado, em agosto de 2014, para viver experiências incríveis, descobertas, superações físicas e aprender bastante sobre esse país fascinante, místico, com uma história riquíssima e muito interessante dos povos pré colombianos, como os Nazcas e os Incas, histórias repletas de mistérios, dúvidas, incertezas e, se dúvidas, muita admiração dos seus grandes feitos.

Portachuelo - Avistando as Lagoas Llanganuco
Portachuelo - Avistando as Lagoas Llanganuco

Eu passei 17 dias no Peru e, antes de viajar, muitos me questionaram por que "perder" tanto tempo lá. Afinal, ninguém precisa de 17 dias para conhecer Lima, Cuzco e Machu Picchu. Sim, é verdade! Ninguém precisa de 17 dias para explorar bem esses 3 destinos. Mas, quem disse que o Peru se resume a isso? Claro que não!

Milho colorido que só vi no Peru
Milho colorido que só vi no Peru 

E digo mais: meu roteiro inicial era de 22 dias, porém, tive que encurtar para realizar outros projetos depois. Com isso, por exemplo, a trilha do Vale do Colca ficou de fora, assim como a cidade de Arequipa.

Meu roteiro foi assim: viajei de Taca / Avianca e fui para Lima. Desembarcamos em Lima e fomos de ônibus com a Movil Tours para Huaraz, que usamos de base para explorar as lagoas do Parque Nacional de Huascarán. Depois voltamos para Lima também de ônibus, onde fizemos uma conexão e pegamos outro ônibus para Ica, onde nos hospedamos no Oásis de Huacachina. De Huacachina, nós fizemos vários passeios: vinícolas da cidade de Pisco, Linhas de Nazca e Paracas. Na sequência, pegamos outro ônibus  (beeeem demorado, de cerca de 15h de viagem ) e fomos para Cuzco.

Oásis de Huacaccina
Oásis de Huacaccina

A hospedagem em Cuzco foi dividida porque passamos 7 dias lá, mas num dia nós fizemos o Vale Sagrado e ficamos em Ollantaytambo para pegar o trem e ir para Águas Calientes, cidade que serve de base para ir a Machu Picchu.

Ah sim... Machu Picchu foi um sonho de longa data finalmente realizado! Quem me conhece há muito tempo, sabe que eu já havia planejado essa viagem ao Peru por outras duas oportunidades que não saíram do papel. Mas como tudo na vida acontece quando tem que ser, eu não poderia ter ido em melhor momento e melhor companhia, a do meu então noivo e hoje marido, Julio Paulin.

Mulheres com trajes típicos
Mulheres com trajes típicos

Ainda, porque a viagem não tinha acabado, fomos com o passeio de ônibus Inka Express de Cuzco para Puno, um passeio lindo, diga-se de passagem. Puno é uma cidade às margens do Lago Titicaca, o mais alto lago navegável do mundo, que também funciona como fronteira natural entre Peru e Bolívia e é um ótimo ponto para quem desejar seguir a viagem para a Bolívia, para a cidade de Copacabana.

Então, chegando ao final da viagem, nós fomos de Puno (na verdade, de Julliaca, onde tem aeroporto) para Lima num esquema de stopover e por isso tivemos só 2 dias em Lima, antes de regressarmos ao Brasil.

Viram só como o Peru é um país repleto de biodiversidades tão distintas e ao mesmo tempo atraentes e interessantes?

Praia, deserto, ilhas, montanha, neve, floresta, sítios arqueológicos, uma cultura fascinante, uma gastronomia envolvente, um povo sofrido mas receptivo. .. sim , o Peru é um país pobre e isso é facilmente percebido, mas a sua beleza vai muito além de Lima, Cuzco e Machu Picchu.

Parque Nacional de Paracas
Parque Nacional de Paracas 

É claro que eu estava super ansiosa para conhecer Machu Picchu, por todas os seus mistérios. .. uma cidade inteira inca perdida e descoberta somente no início do século XX é algo que desperta a curiosidade sim. E não me decepcionou até porque eu consegui vencer a Montanha Wayna Picchu e vi a Cidadela de Machu Picchu lá do alto, no seu formato de Condor. Emoção pura! O dia foi absolutamente lindo, com sol, sem chuva e eu pude conferir de perto toda a energia desse lugar sagrado pelos Incas.

Machu Picchu muito bem acompanhados!
Machu Picchu muito bem acompanhados!

Mas confesso que minha grande surpresa, a emoção maior que vivi na viagem ao Peru, talvez por ser um destino menos badalado, menos turístico e pouco conhecido dentre os brasileiros, foi superar todos os meus limites físicos para vencer (vencer mesmo, com muito sacrifício ) a Cordilheira Branca, na região de Ancash, dentro do Parque Nacional de Huascarán e chegar na Laguna 69!

Laguna 69
Laguna 69

Esse sim foi o trekking mais difícil, mais emocionante e com a recompensa mais linda que já fiz na vida!

Tanto que eu coloco a Laguna 69 no mesmo nível de encantamento que senti quando cheguei a Machu Picchu (por razor diferentes, é claro).

Mas por que esse frisson todo por causa de uma lagoa? Calma aí que eu explico!

Huaraz, portanto, foi o início das nossas aventuras pelo Peru. Ficamos 3 noites lá e fizemos 3 passeios para 3 Lagunas diferentes.

Os passeios foram organizados pela agência de turismo Inkalandtreks, cuja dona, Edita, a todo momento, desde os contatos prévios, preocupou-se em traçar um roteiro adequado às nossas condições físicas e de modo a nos preparar para o grande desafio, que ficou para o último dia, que foi a Laguna 69. Todos os passeios foram feitos dentro do Parque Nacional de Huascarán, na Cordilheira Branca, mas há muitas outras opções de passeios, inclusive pela Cordilheira Negra.

Os passeios com a Inkalandtreks não foram uma barganha. Algo em torno de 400usd no total para 2 pessoas e 3 dias, incluindo o transporte que levava até a base de início dos trekkings (em média, umas 2h para cada trecho de deslocamento), às vezes café da manhã, sempre almoço e lanchinhos, além de muito chá da folha de Coca.

Almoço com comida típica
Almoço com comida típica

A gente não se preocupava com nada além de acordar e estar pronto no horário combinado!

No primeiro dia, fomos a Portachuelo, a 4.700 metros de altura, depois visitamos as Lagunas Llanganuco e fizemos uma pequena trilha no Sendero Maria Josefa.

Portachuelo
Portachuelo


Portachuelo - Avistando as Lagoas Llanganuco
Portachuelo - Avistando as Lagoas Llanganuco


Laguna Llanganuco
Laguna Llanganuco

No segundo dia, conhecemos a Laguna Parón, a pouco mais de 4 mil metros de altura, e fizemos um trekking de cerca de 5h, com pausa para um almoço incrível às margens da lagoa.

Laguna Parón
Laguna Parón


Laguna Parón
Laguna Parón


Laguna Parón
Laguna Parón


Laguna Parón
Laguna Parón


Laguna Parón
Laguna Parón

No terceiro dia, aí sim havia chegado a hora da verdade: Conseguiríamos chegar na Laguna 69?

Bem, vocês já sabem que nós conseguimos rsrs ... mas não foi por conta das inúmeras vezes em que pensei em desistir kkk...

Foi mais ou menos assim:

Acordamos antes das 5h da manhã e estávamos prontos às 6h para irmos ao Parque Nacional de Huascarán. Em cerca de 2:30h, nós chegamos ao acampamento de Cebollapampa, onde o carro nos deixou e iniciamos o trekking.

Dicas: a aclimatação que foi feita antes foi de suma importância! Jamais encare uma trilha dessas sem estar minimamente acostumado com a altura. O soroche, mal das alturas, ataca muitas pessoas que podem sentir desde náuseas a dores de cabeça, até problemas mais sérios de desmaios e cardíacos. Logo, eu recomendo veementemente que façam um check up antes com seu médico, principalmente um cardiologista, para verificar se você pode encarar um passeio como esse que demanda alta esforço físico e cardiorrespiratório.

Se você puder tomar um Tylenol antes de fazer a trilha (eu sou alérgica à dipirona, portanto, tive muito cuidado com os remédios que são vendido no Peru para evitar o mal da altura, como o Soroche Pills que é bem famoso mas tem AAS na composição, ao qual também sou alérgica ) e beber muito - MUITO - chá da folha de Coca, você possivelmente reduzirá os efeitos do soroche.

A trilha, então, começava a 3.900 metros de altura e ia até 4.600 metros, onde está a Laguna 69. Ou seja, uma ascendência de 700 metros! É punk, viu?

Comecei bem e segui pelo primeiro pampa, onde fica o acampamento, até com certa tranquilidade. O pampa é lindo, cortado por um riacho e cercado de montanhas. Uma paisagem para guardar sempre na memória!

Mas, quando começamos a subir a montanha, eu já senti o coração acelerando e cansaço, muito cansaço.

Vejam bem, eu não fumo, faço atividades físicas com certa regularidade e bebo só socialmente. Nada disso foi suficiente para eu fazer essa trilha tranquila, mesmo após 2 dias anteriores de aclimatação.

A primeira subida parecia acabar nunca! E era em ziguezague, para o meu desespero. Passamos por trechos estreitos e cheios de pedra não recomendáveis para quem tem fobia de altura.

Cruzamos uma queda d'água e avistamos uma cachoeira! Lindo!

Pelo caminho da trilha
Pelo caminho da trilha

Daí, eu comecei a pedir arrego e iniciei um processo de "caminhar 5 minutos e parar um pouco para descansar". Às vezes, sentia até um desespero de não chegar ... de faltar muito tempo e pensei em desistir diversas vezes.

Para piorar a situação, o guia que estava conosco (nesse dia não foi a Edita, mas sim um guia de montanhas e alpinismo que nos acompanhou pela Inkalandtreks) calculava os nossos deslocamentos para saber se daria tempo de chegar e depois descer porque tínhamos um limite de horário para chegar no início da trilha por 2 motivos:

1 - o tempo no final da tarde tendia a virar com muitas nuvens e possível chuva.  Vá por mim, tudo o que você não vai querer é fazer essa trilha com chuva!

2 - nós tínhamos um ônibus marcado para as 22h para regressarmos a Lima. Ou seja, não dava para perder o bus.

Pois bem, minha sorte foi que esse guia era muito bom e ficou me motivando o tempo todo com palavras de ordem, tipo "Fuerza e Valor", dizendo que eu ia conseguir, que a cada passo que eu dava estava mais perto. Juro para vocês que, se eu estivesse sozinha com o Julio, teria desistido. Por falar nisso, nós vimos muitas pessoas sozinhas, sem guias, por lá. Eu não iria sem guia, mas eu não sou uma trilheira profissional rsrs... fora que tem a questão da altura e ter esse apoio de um guia de montanha e alpinismo experiente, que já participou de resgates na montanha, deixou-me bem mais tranquila.

Outra opção para subir a montanha é no lombo de burros ou cavalos. Só que, sinceramente, depois de caminhar naquelas trilhas estreitas e cheias de pedras, passando por desfiladeiros, eu não indico nem arriscaria subir a cavalo.

Então, vencemos a primeira montanha com a subida em ziguezague e depois veio mais um pampa, tipo um platô. Calma aí que ainda tinha muita trilha pela frente!!

Eu logo avistei uma lagoa, em tons castanhos e verdes, e juro que me dei por satisfeita! Pronto, vi pelo menos uma lagoa e já podia voltar kkkk... mas o guia, no seu papel motivacional, não me deixou desistir. Logo, segui adiante pelo pampa e resolvemos parar ali, após quase 4h de trilha, para descansar e fazer o almoço. Ahhhhh, quem carregava o almoço, os lanches e o chá de Coca era o guia! E é claro que, bebendo chá de Coca o tempo todo, a gente também parava algumas vezes para ir ao "banheiro" (= fazer xixi na moita rsrs). Tudo por lá é bem rústico mesmo.

Pois bem, almoçamos, mas ainda faltava uma última montanha a vencer! Essa era um verdadeiro paredão e adivinhem como era a subida? Sim, em ziguezague! Caminho ainda mais estreito, em que apenas uma pessoa passava, repleto de pedrinhas (por isso que é perigoso fazer essas trilhas com chuva!).

Almoço na trilha
Almoço na trilha

E as avalanches que ouvíamos? Nossa! Assustador! Eram estrondos tão fortes que faziam parecer que as avalanches ocorriam ao nosso lado. Mas o guia me garantiu o tempo todo que era bem longe da gente (só me resta a acreditar nele, né? rsrs).

Vencemos a última montanha e, já no alto, quando eu avistei a Laguna 69, mal podia acreditar que tinha conseguido!

Sim, eu consegui! E foi um misto de emoção, cansaço, dificuldades de respirar aquele ar rarefeito a 4.700 metros de altura, coração acelerado ... e a estonteante e hipnotizante beleza da Laguna 69 fez toda a fadiga desaparecer!

Laguna 69
Laguna 69

Sim, valeu a pena! Todo o esforço foi recompensado com a oportunidade de chegar perto dela e ver aquele azul surreal, um azul que nunca vi antes... um azul celeste inesquecível!

Foi lindo demais!

Eu só não consegui tirar a tradicional foto pulando porque mal dava para respirar, mas o Julio, que tem melhor condicionamento físico do que eu, para me humilhar, deu seus saltos rsrs...

Júlio muito feliz!
Júlio muito feliz!

Ficamos lá em cima um pouco, descansando, admirando, fotografando, observando outros turistas (e muitos nós havíamos visto pela trilha).... a vontade era de ficar por lá!

Na verdade, a vontade era de não ter que encarar a descida kkkk... preguiiiiiiiiça grande de passar por tudo aquilo de novo. Podia ter escada rolante, né? Kkkkk. ..

Mas olha, não é que para baixo todos os Santos ajudam mesmo??

Vocês acreditam que nós gastamos 5h para subir e cerca de 2:20 para descer? A descida foi muito mais tranquila, embora force muito o joelho, o ar vai ficando menos rarefeito.

No final das contas, deu tudo certo!

Chegamos a tempo no Hotel El Jacal, onde estávamos hospedados, para tomar um banho, comer uma pizza ligeira que pedimos no delivery e corremos para a estação do ônibus da Movil Tours para voltarmos para Lima.

E essa aventura foi o maior desafio da minha vida! Espero que tenham gostado!

Beijo grande,

Lily

CONVERSATION

5 Comentários :

  1. Que incríveis essas lagunas! Fiquei encantada e colocarei em minha lista de lugares que TENHO que ir. Adorei as fotos. Belíssimas. E achei muito legal sua introdução de agradecimento. O mundo seria bem melhor se todos soubessem agradecer mais. Bj. Tati

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pela visita!!!

    Beijos e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  3. Olá gente
    primeiramente parabéns pelo blog.
    eu sou peruano gostaria falar de machu picchu.

    Machu Picchu é considerada patrimônio mundial pela Unesco .
    A cidade Inca também é uma das maravilhas do mundo, o que atrai turistas do mundo todo. É uma grande área onde o mundo se mistura.
    viagem ao Peru e uma diversidade de pacotes de viagens em Machu Picchu Peru.

    ResponderExcluir
  4. Ola pessoal!
    primeiramente parabéns pelo blog, sensacional suas dicas!
    recomendo viajar ao peru e conhecer machu picchu uma das maravilhas do mundo e o ultimo refugio inca, também recomendo visitar outros lugares turísticos como lago titicaca, nazca, paracas, ancash, choqueqirao e muitos outros puntos turísticos mais.
    sua gastronomia é reconhecida no mundo por sua variedade de platos tipico em cada região, deguste o melhor de nossa gastronomia peruana e bom apetito

    ResponderExcluir
  5. Olá gente!
    Porque escolher Peru para sua próxima viagem?
    Cada dia as pessoas se perguntam para onde quiserem viajar na sua próxima férias. Convido-lhes a visitar Peru. Um país mágico e incomparável que durante os últimos anos teve uma evolução favorável a nível econômico, cultural, social e turístico.
    As razões de porque deveria visitar Peru é porque possui uma das 7 maravilhas do mundo moderno, Machu Picchu, a cidadela perdida dos Incas do século XV que foi descoberta no século passado, você visualiza a harmonia da natureza junto com o trabalho perfeito logrado na sua arquitetura.

    ResponderExcluir

Volte
p/ topo