Evento: VIII Circuito Musica Brasilis – Cortejos e colagens

Com curadoria de Rosana Lanzelotte, o circuito leva 20 espetáculos cênico-musicais a todas as regiões do país, entre agosto e setembro de 2017

No dia 11 de agosto a Di teve o privilégio de presenciar “O Boi no telhado”, na Sala Cecília Meireles. O espetáculo alusivo à chegada ao Brasil do compositor Darius Milhaud (1892 – 1974) há exatos 100 anos, em 1917. Nos dois anos em que permaneceu no Rio de Janeiro, fez amizade com diversos compositores e, de regresso à França, inspirado nas músicas populares que ouviu durante a permanência no Rio, ele compõe em 1919, “Le boeuf  sur le toit”, tradução do título do tango de José Monteiro - “O boi no telhado”, lançado no Carnaval de 1918. O sucesso da peça inspira a criação do restaurante homônimo em Paris e a expressão “faire le boeuf”, usada pelos músicos quando se juntam para improvisar.


Os programas contem obras de Darius Milhaud e dos compositores em que este se baseou - Ernesto Nazareth, Marcelo Tupinambá, Álvaro Sandim, Chiquinha Gonzaga - interpretado por músicos do grupo Caldereta Carioca com a participação Rosana Lanzelotte (pianoforte). Para reviver o compositor francês, esteve em cena o ator Antonio Calloni, narrando trechos de cartas do compositor alusivas ao Brasil.





A programação não pára por aí, com série de espetáculos cênico-musicais em que a música clássica é contextualizada por roteiros teatrais, o Circuito Musica Brasilis, idealizado e dirigido pela cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte, apresenta em 2017 a 8ª edição, desta vez com o tema CORTEJOS E COLAGENS. O título remete à obra do compositor francês Darius Milhaud (1892 – 1974), que chegou ao Brasil há exatos 100 anos, em 1917. Sua obra - Le Boeuf sur le toit -, que deu nome ao famoso restaurante em Paris, é uma colagem de peças de compositores brasileiros. Quanto aos cortejos, referem- se aos 250 anos de nascimento de José Maurício Nunes Garcia (1767 - 1830) - cuja obra O Triunfo da América, será apresentada pela primeira vez em tempos modernos no Brasil. O Abre-alas de Chiquinha Gonzaga (1847-1935) - 170 anos de nascimento - alude ao cortejo carnavalesco, enquanto os 200 anos de falecimento do Conde da Barca (1754-1817) é tema de cortejo fúnebre.

Os repertórios, contextualizados por roteiros narrados e projeções de imagens, serão apresentados por três orquestras - OSUFPE (Orquestra Sinfônica da UFPE), Orquestra de Câmara do Amazonas e ORSSE - Orquestra Sinfônica de Sergipe - e por Caldereta Carioca, Clara Sverner (piano), José Staneck (harmônica), Marília Vargas (soprano), Marina Spoladore (piano), Ricardo Kanji (flauta), Ricardo Santoro (violoncelo) e Rosana Lanzelotte (pianoforte). Antonio Calloni revive Darius Milhaud, a atriz Helena Varvaki, a compositora Chiquinha Gonzaga, e o ator Marcos França, o Conde da Barca.

A turnê nacional, de 20 apresentações, que acontecem entre 9 de agosto e 27 de setembro em 11 cidades de seis estados - Rio de Janeiro, Petrópolis (RJ), Aracaju (SE), Brasília (DF), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Recife (PE).  A parceria com o SESI Cultural leva o projeto a outras cinco cidades do Estado do Rio de Janeiro: Duque de Caxias, Itaperuna, Campos dos Goytacazes e Macaé. A série, uma das únicas dedicadas exclusivamente a repertórios clássicos brasileiros, tem patrocínio contínuo do BNDES desde 2009.

Como em anos anteriores, a recuperação de partituras das obras apresentadas é um dos principais desdobramentos do projeto. Este ano, cerca de 300 novas partituras serão acrescentadas às 1500 já disponíveis através do portal (www.musicabrasilis.org.br). As partituras de José Maurício Nunes Garcia são o grande foco dessa edição. Vamos colocar no ar cerca de 40 partituras, com partes separadas. Estamos trabalhando nas únicas obras dramáticas (para teatro) de José Maurício, cujos originais D. João levou para o Palácio Ducal de Vila Viçosa, quando voltou a Portugal. Além disso, vamos disponibilizar partituras de compositores brasileiros ligados a Darius Milhaud, como Glauco Velasquez, Luciano Gallet e Francisco Braga, e teremos no site um arranjo especialmente feito pelo Tim Rescala da obra “Abre-Alas”, de Chiquinha Gonzaga, para piano. São obras de grande importância para a nossa história musical, comenta Rosana Lanzelotte.


SOBRE OS REPERTÓRIOS
Os programas dos espetáculos giram em torno de quatro eixos temáticos:

José Maurício Nunes Garcia (1767 – 1830) – 250 anos de nascimento
Considerado o maior compositor brasileiro do início do século 19, a música de José Maurício ultrapassou fronteiras e impressionou a todos os europeus com quem conviveu. Serão estreadas em tempos modernos as únicas obras não sacras sobreviventes do compositor, recuperadas em Portugal pelo musicólogo Sérgio Dias. As apresentações acontecerão no Teatro de Santa Isabel (Recife), no dia 31 de agosto; e no Teatro Tobias Barreto (Aracaju), no dia 27 de setembro.
                   
Marcha para o Conde da Barca – 200 anos de falecimento
Antonio de Araújo e Azevedo (1754 - 1817), o Conde da Barca, idealizou o projeto civilizatório do Brasil. Fundou a Impressa Régia, concebeu a criação do Reino Unido, imaginou a Missão Artística Francesa, no âmbito da qual vem ao Brasil o compositor Sigismund Neukomm (1778 – 1858). Este foi o primeiro a empregar gêneros populares - modinhas e lundus - em obras clássicas. Entre as mais de 70 obras que escreveu no país, está a Marcha Fúnebre para o Conde da Barca, um grande estadista injustamente esquecido. As apresentações dedicadas ao tema acontecerão no Auditório do BNDES (Rio de Janeiro), no dia 9 de agosto; e no CCBB-DF (Brasília), dia 12 de setembro.

Abram alas para Chiquinha Gonzaga (1847 – 1935) – 170 anos de nascimento
Primeira compositora de relevância no país, rompeu as barreiras de gênero. Empunhou a batuta de maestrina, criou a primeira sociedade de arrecadação de direitos autorais no país – a SBAT – em 1917, escreveu operetas e vasta obra para piano. O espetáculo que homenageia a compositora será apresentado no Theatro São Pedro (Porto Alegre), dia 16 de agosto; no Teatro Pedro II (Petrópolis), dia 19 de agosto; e nas unidades do SESI nos dias 9 (Centro/Rio de Janeiro), 18 (Jacarepaguá/Rio de Janeiro) e 22 de agosto (Duque de Caxias); 15 (Macaé), 29 (Campos dos Goytacazes) e 30 (Itaperuna).

Um boi brasileiro no telhado francês – Darius Milhaud no Brasil (1917 – 1919)
Há exatos 100 anos, em 1917, chega ao Brasil o compositor francês Darius Milhaud. Chega em pleno Carnaval e suaestadiacoincide com a valorização dos repertórios autenticamente nacionais, que o inspiraram nas obras Saudades do Brasil e O Boi no Telhado. Esta última é uma colagem de 24 peças de compositores brasileiros. O espetáculo dedicado ao compositor será apresentado na Sala Cecília Meireles (Rio de Janeiro), em 11 de agosto; e no Teatro Amazonas (Manaus), em 26 de setembro (leia mais em http://musicabrasilis.org.br/temas/darius-milhaud-no-brasil).


EXPOSIÇÃO INTERATIVA – AÇÃO EDUCACIONAL
Iniciativa inovadora e contemporânea, a exposição interativa sobre cinco séculos de música brasileira é fundamentada nos conteúdos reunidos ao longo de 8 anos de atuação do Musica Brasilis. É voltada para os públicos jovens e visitará seis unidades do SESI e Sistema Firjan: Rio de Janeiro (Centro e Jacarepaguá), Duque de Caxias, Itaperuna, Campos dos Goytacazes e Macaé. Essa é a primeira vez que o Musica Brasilis firma parceria com o SESI, instituição com relevante atuação na área de cultura e educação.


OUTRAS AÇÕES EDUCACIONAIS
O VIII Circuito Musica Brasilis enfatiza as ações educacionais supervisionadas por coordenação pedagógica especializada. As iniciativas se alinham com o apoio ao ensino obrigatório de música, que abrange 57 milhões de estudantes e 2 milhões de professores (dados INEP*).

ESPETÁCULOS DIDÁTICOS INTERATIVOS: 6 espetáculos voltados à rede pública de ensino e projetos sociais, durante os quais os músicos conversam com o público sobre os repertórios e instrumentos.

MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO: planos de aula voltados aos temas dos espetáculos ficarão disponíveis para os professores através do portal Musica Brasilis, com informações sobre os compositores e repertórios, articuladas com conteúdos de história, geografia e literatura.

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS E RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS: serão desenvolvidos recursos educacionais abertos e jogos musicais, todos gratuitamente disponíveis através do portal Musica Brasilis e da plataforma Android.

ENCONTROS COM PROFESSORES DE UNIVERSIDADES FEDERAIS: realizados pela idealizadora do portal Musica Brasilis e Drª em informática Rosana Lanzelotte, os encontros tem como objetivo a captação e disseminação de conteúdos do portal.


SOBRE O MUSICA BRASILIS
Fundado em 2009 pela musicista e Drª em Informática Rosana Lanzelotte, o Musica Brasilis, instituto sem fins lucrativos, tem como objetivo o resgate e difusão de repertórios brasileiros de todos os tempos e gêneros, em grande parte inacessíveis por falta de edições.

Com mais de 15.000 acessos mensais e cerca de 1500 obras de 500 compositores, o portal Musica Brasilis (www.musicabrasilis.org.br)vem se firmando como uma das principais fontes de acesso às partituras de música brasileira. O portal disponibilizaainda recursos educacionais abertos para apoio aos professores no ensino de música, obrigatório para 57 milhões de estudantes da rede básica.

Foi escolhido pelo Comitê dos Jogos Olímpicos 2016 para realizar a primeira linha do tempo da música brasileira (http://timelinemusicabrasileira.org.br).

Entre as realizações mais importantes estão quatro edições de exposições interativas (https://youtu.be/7ipOSFV-WGU) e sete edições do Circuito BNDES Musica Brasilis, com mais de 100 espetáculos em 24 cidades de todas as regiões do país.


SOBRE O CIRCUITO MUSICA BRASILIS
Criado em 2009 pela cravista e pesquisadora Rosana Lanzelotte, o Circuito Musica Brasilis é a única série de espetáculos multimídia voltados principalmente aos repertórios brasileiros de todos os tempos. Ao longo de sete edições, o Circuito BNDES Musica Brasilis realizou mais de 100 espetáculos em 24 cidades por todo o Brasil, com público de mais de 30 mil pessoas, além de 3 programas difundidos em rede aberta de TV para mais de 500.000 espectadores em todo o Brasil.O projeto é uma das únicas iniciativas totalmente voltadas aos repertórios brasileiros, em que obras clássicas são contextualizadas por imagens e narração. Ao longo dos anos, já se apresentaram nos espetáculos nomes como Antonio Meneses, Fabio Zanon, Fernando Portari, Rosana Lamosa, Lício Bruno, Marília Vargas, Jacques Ogg, Wilbert Hazelzet, Quinteto Villa-Lobos, Art Metal Quinteto, as Orquestras Petrobras Sinfônica, Orquestra de Câmara do Amazonas e Orquestra PRIMA. Os atores Mateus Solano, Antonio Calloni, Pascoal da Conceição e Carol Castro participaram das últimas edições como narradores.


PROGRAMAÇÃO

Dia 31 de agosto, quarta-feira, 20h
Programa: José Maurício Nunes Garcia – 250 anos
Obras de José Maurício Nunes Garcia: Laudamus Te, Abertura em Ré, Ulissea, Triunfo da América
Músicos: OSUFPE - Orquestra Sinfônica da UFPE. Solista: Marília Vargas. Regência: Sérgio Dias
Narração: Carlos Ferrera como José Maurício Nunes Garcia
Local: Teatro de Santa Isabel - Praça da República, s/n - Santo Antônio - Recife (PE). Tel:(81)3355-3322
Ingressos: R$20,00 (inteira) | R$10,00 (meia) - somente na bilheteria do Teatro a partir de 15/08
Desconto de 50% para assinante e um acompanhante do Jornal Diário de Pernambuco.
Classificação: Livre
Lotação: 700 lugares

Dia 12 de setembro, terça-feira, 20h
Programa: Marcha para o Conde da Barca
Obras de José Maurício Garcia Nunes, Marcos Portugal, Sigismund Neukomm, Joaquim M. da Câmara
Músicos: Marília Vargas (soprano), Rosana Lanzelotte (pianoforte), Ricardo Kanji (flautas)
Narração: Marcos França como o Conde da Barca
Local: CCBB - Brasília (DF) - SCES – Setor de Clubes Esportivos Sul, Trecho 2, Ed. Tancredo Neves - Lote 22 - Asa Sul - Tel: (61) 3108-7600
Ingressos: R$20 (inteira)| R$10 (meia) - somente na bilheteria do CCBB
Classificação: Livre
Lotação: 327 lugares

Dia 26 de setembro, terça-feira, 20h
Programa: O Boi no Telhado
Obras de Chiquinha Gonzaga, H. Villa-Lobos, Darius Milhaud, Ernerto Nazareth
Músicos: Orquestra de Câmara do Amazonas. Solista: José Staneck (harmônica). Regência: Flávio Lago
Local: Teatro Amazonas - Av. Eduardo Ribeiro, Centro - Manaus (AM). Tel: (92) 3622-1880
Entrada gratuita - acesso mediante ordem de chegada, limitado a capacidade do local
Classificação: Livre
Lotação: 701 lugares

Dia 27 de setembro, quarta-feira, 20h30
Programa: José Maurício Nunes Garcia – 250 anos
Obras de José Maurício Nunes Garcia: Laudamus Te, Abertura em Ré, Uliseea, Triunfo da América
Músicos: ORSSE - Orquestra Sinfônica de Sergipe. Solista: Marília Vargas. Regência: Guilherme Mannis
Narração: Andresson Dias como J. M. Nunes Garcia
Local: Teatro Tobias Barreto - Av. Tancredo Neves, 2209 - Aracaju (SE). Tel: (79) 3179-1490
Ingressos: R$20 (inteira) | R$10 (meia)
Vendas de ingressos: na bilheteria do Teatro
Classificação: Livre
Lotação: 1.350 pessoas


PROGRAMAÇÃO CIRCUITO SESI CULTURAL

Programa ‘ABRAM-ALAS PARA CHIQUINHA GONZAGA – 170 anos’
Obras de José Maurício Garcia Nunes, Chiquinha Gonzaga, H. Villa-Lobos
Músicos: José Staneck (harmônica), Marina Spoladore (piano) e Ricardo Santoro (violoncelo)
Narração: Helena Varvaki como Chiquinha Gonzaga

Teatro SESI Caxias
Rua Artur Neiva, 100 - Jardim Vinte e Cinco de Agosto. Tel: (21) 3672-8341
Exposição: 22 a 29 de agosto (de segunda a sexta, das 10h às 13h e das 14h às 20h) - Entrada gratuita
Espetáculo: 22 de agosto (terça-feira), 15h – R$10 (vendas a partir de 1/8, de seg a sex das 7h às 20h)
Lotação: 220 lugares

Teatro SESI Macaé
Alameda Etelvino Gomes, 155 - Riviera Fluminense.Tel: (22) 2791-9214/ 2791-9229
Exposição: 15 a 21 de setembro (de seg. a sexta, das 10h às 13h e das 14h às 19h) – Entrada gratuita
Espetáculo: 15 de setembro (sexta-feira), 20h - R$10 (vendas a partir de 2/10, de seg a sex, das 8h às 20h)
Lotação: 197 lugares

Teatro SESI Campos
Avenida Dep. Bartolomeu Lysandro, 862 – Guarus. Tel: (22) 2101-9052/2101-9053
Exposição: 26 a 29 de setembro (de seg. a sexta, de 10h às 13h e de 14h às 19h) – Entrada gratuita
Espetáculo: 29 de setembro (sexta-feira), 20h - R$10 (vendas a partir de 2/10, de seg a sex, das 8h às 20h)
Lotação: 205 lugares

Teatro SESI Itaperuna
Avenida Dep. José de Cerqueira Garcia, 883 – Pres. Costa e Silva. Tel: (22) 3811-9219/ 3811-9246.
Exposição: 30 de setembro a 6 de outubro (de seg. a sexta, das 9h às 13h e das 14h às 19h) - Entrada gratuita
Espetáculo: 30 de setembro (sábado), 19h - R$10 (vendas a partir de 1/9, de seg a sex das 8h às 20h)
Lotação: 250 lugares

Obs: o valor de meia entrada é aplicável a: idosos, estudantes até 15 anos (apresentando RG), estudantes acima de 16 anos (apresentando carteira estudantil) e para jovens entre 16 e 29 anos, pertencentes a famílias de baixa renda, mediante comprovação de matrícula no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal).

CONVERSATION

1 Comentários :

Volte
p/ topo